Conceito » Religião » Geometria Sagrada

Geometria Sagrada - Conceito, o que é, Significado

As origens da geometria se remontam ao Egito Antigo, quando os primeiros sistemas de medição terrestre foram criados para delimitar o território após as inundações periódicas do rio Nilo. Assim, em uma civilização impregnada de espiritualidade surgiu uma disciplina matemática.

A dimensão sagrada da geometria está presente na filosofia, na religião e na interpretação da natureza

No campo da filosofia existem duas correntes que atribuem um valor sagrado à geometria: o pitagorismo e o platonismo. Pitágoras e seus discípulos entendiam que as formas geométricas e a matemática em geral são a linguagem do universo.

Os chamados sólidos platônicos desempenham um papel fundamental na tradição platônica, ou seja, uma série de poliedros que se encontram muito presentes nas diversas formas da natureza.

Na simbologia e nas construções religiosas a geometria é muito mais do que uma simples estrutura matemática, uma vez que as formas representadas têm um significado espiritual.

Um exemplo disso é a Flor da Vida, cujo padrão geométrico está presente no Cristianismo e no Budismo

O Cubo de Metraton, uma estrutura integrada à Flor da Vida, também tem um sentido criativo, já que no Judaísmo se afirma que o Criador projetou as formas do mundo a partir desta figura geométrica (afirma-se que o Cubo de Metraton nos ajuda a compreender o equilíbrio da natureza).

Certas formas da natureza, os conhecidos fractais, apresentam padrões geométricos. Consequentemente, este ramo da matemática é valorizado em sua dimensão divina, metafísica ou sagrada.

Um exemplo disso seria a chamada Espiral de Fibonacci ou divina proporção do número de áureo.

Em resumo, nas mais variadas disciplinas, as representações geométricas se apresentam como formas misteriosas e por este motivo se fala de uma geometria divina ou sagrada.

A cristaloterapia e a cura quântica são duas correntes pseudocientíficas das quais a geometria tem um profundo significado espiritual

Segundo os princípios da cristaloterapia, os cristais e as pedras preciosas têm certas propriedades curativas porque sua cor e desenho geométrico influenciam nas energias corporais. Desta maneira, cada pedra tem uma propriedade de cura determinada.

Na terapia quântica, afirma-se que as estruturas quânticas têm propriedades curativas, tanto físicas como espiritualmente.

Ambas as disciplinas estão baseadas no seguinte critério: quando a geometria expressa a ordem da natureza, as doenças manifestam algum desequilíbrio ou desordem corporal e, consequentemente, a cura precisa recorrer a algum princípio geométrico.

Imagem: Fotolia. flexelf

Próximo - Conceitos >>

Leitores continuaram: