Conceito » Saúde » Acidente vascular cerebral

Acidente vascular cerebral - Conceito, o que é, Significado

O acidente vascular cerebral, também conhecido como AVC ou apoplexia, é um tipo de doença cardiovascular na qual a circulação sanguínea cerebral é afetada ocasionando a morte de um grupo de neurônios que se manifesta através de uma série de sintomas neurológicos bem característicos.

Como reconhecer uma manifestação desta magnitude

Uma pessoa que sofre um AVC costuma apresentar manifestações que permitem reconhecê-lo. Trata-se de uma série de sintomas que iniciam de forma repentina, dos quais incluem:

- Perda de força em um dos braços, pernas ou até mesmo em um lado do corpo.

- Dificuldade para falar ou entender o que os outros dizem.

- Perda de equilíbrio ou da capacidade de coordenar os movimentos.

- Dor de cabeça súbita muito forte acompanhada de vômitos.

- Alteração do estado de consciência.

O aparecimento destas manifestações em pessoas que também apresentam fatores de risco, como as que são hipertensas, diabéticas, fumam cigarros, mantêm elevados níveis de colesterol no sangue ou tomam medicamentos anticoagulantes, nos obriga a descartar o início de um acidente vascular cerebral.

Existem vários tipos de acidente vascular cerebral

- Cefaleia intensa súbita acompanhada de vômito.

- Alteração do estado de consciência.

A falha no fornecimento de sangue ao cérebro pode ocorrer por três mecanismos principais: hemorragia, embolia ou obstrução de um vaso sanguíneo por arteriosclerose. Estes mecanismos são responsáveis pelos principais acidentes vasculares cerebrais:

AVC hemorrágico

Neste caso, determinada área do cérebro deixa de receber seu fornecimento sanguíneo devido à ruptura de uma artéria cerebral, o que produz uma hemorragia no interior do crânio.

Este tipo de acidente vascular cerebral é de gravidade maior, uma vez que os hematomas aumentam a pressão dentro do crânio, o que se associa a um aumento da mortalidade, da mesma forma que o sangue pode irritar as áreas do cérebro dando origem a convulsões.

As hemorragias se devem a duas causas principais: a elevação da pressão arterial em uma pessoa hipertensa que não toma sua medicação ou não faz uso de maneira correta, ou a ruptura de uma malformação como um aneurisma ou uma malformação arteriovenosa. Alguns fatores como o uso de medicamentos anticoagulantes aumenta o risco de apresentar um AVC hemorrágico.

AVC isquêmico

É o tipo mais frequente de acidente vascular cerebral. Neste caso, as artérias cerebrais são obstruídas sem romper, o que compromete a circulação da área cerebral irrigada por esta artéria.

A obstrução se deve a três causas principais: o crescimento de placas de colesterol nas artérias em pessoas com arteriosclerose; a obstrução de uma artéria por um coágulo de sangue (embolia) proveniente de outra parte do corpo, especialmente das artérias do pescoço ou do interior do coração; ou falha no fornecimento de sangue por causa de uma arritmia ou parada cardíaca.

ACV transitório ou ataque isquêmico transitório

Trata-se de um tipo de AVC isquêmico do qual os sintomas duram poucos minutos e desaparecem por completo. Este tipo de acontecimento indica que existe obstrução das artérias ou situações como arritmias cardíacas. É importante prestar-lhes atendimento e buscar assistência médica, já que muitas vezes são indicativos da possibilidade de ocorrer algo maior.

Qual é o tratamento?

Os acidentes vasculares cerebrais são condições sérias que precisam de um gerenciamento de emergência.

Em sua fase inicial é necessário realizar exames de imagem como tomografia ou ressonância magnética que ajudem a identificar o tipo de AVC e os vasos sanguíneos afetados. Isto permite planejar procedimentos que permitam restabelecer o fluxo de sangue nas zonas afetadas minimizando o dano cerebral e, consequentemente, as sequelas posteriores. Por esta razão, diante da suspeita de um AVC é necessário dirigir-se a um centro de saúde de forma imediata.

Uma vez superada a fase inicial, podem ser necessárias terapias para permitam recuperar algumas funções afetadas, estas incluem a reabilitação ou fisioterapia, terapia da linguagem e terapia ocupacional.

Da mesma forma devem ser tratadas e controladas as condições associadas como hipertensão, diabetes e alteração dos níveis de gorduras no sangue, além de adotar um estilo de vida saudável. Todas estas medidas têm como objetivo prevenir o aparecimento de um novo caso de acidente vascular cerebral.

Imagem Fotolia: Rodnikovay

Relacionados:

  1. Doenças Neurodegenerativas
  2. Isquemia
  3. Alexia
  4. Sequela em Saúde
  5. Neuropsicologia
  6. Disartria
  7. Perfusão
  8. Síndrome de Arnold-Chiari
  9. Síndrome das Pernas Inquietas
  10. Ecmnésia