Conceito » Religião » Encíclica Papal

Encíclica Papal - Conceito, o que é, Significado

O Papa de Roma é a autoridade máxima da Igreja Católica e para os crentes de todo o mundo sua opinião sobre certos temas é especialmente importante. Neste sentido, uma encíclica papal é um documento através do qual o Sumo Pontífice reflete sobre um tema de interesse geral. Como regra geral, seu conteúdo está relacionado à doutrina social da igreja ou então aos problemas que afetam o conjunto da sociedade na atualidade.

Do ponto de vista histórico, a encíclica tem sua origem nas epístolas do Novo Testamento. Trata-se do documento ordinário de maior relevância escrito pelo Pontífice. Normalmente está escrito em latim, pois esta é língua oficial na Santa Sede. No entanto, pode ser traduzido para as principais línguas do mundo.

A primeira encíclica do papa Francisco

Seu título é Lumen fidei (a luz da fé) e foi publicado em Julho de 2013. O conteúdo do documento já havia sido elaborado pelo papa anterior Bento XVI, mas Francisco também contribuiu com sua própria visão sobre o tema. Ao longo de suas oitenta páginas são apresentadas várias reflexões.

Na introdução da encíclica, recorda-se que a fé dos cristãos está baseada na história do passado, especialmente na memória da vida de Jesus Cristo, assim como em sua morte e ressurreição. Os capítulos seguintes abordam outros tópicos: a relação entre a fé e o amor, o debate sobre a fé e a razão, o problema do relativismo e a necessidade de buscar o bem comum na sociedade.

No final do século XIX foi publicado o Rerum Novarum (Das novas coisas), uma das encíclicas na qual se pode conhecer a doutrina social da Igreja Católica.

Este documento elaborado pelo Papa Leão XIII foi publicado em 1891

Nesta época, a humanidade se encontrava imersa em um debate entre os defensores do capitalismo e os partidários do socialismo revolucionário. Na carta encíclica Rerum Novarum existem reflexões interessantes sobre as condições de trabalho dos operários, o papel dos patrões e o intervencionismo do Estado.

Para alguns historiadores, esta encíclica tentou combater o auge dos ideais revolucionários e, por outro lado, frear a descristianização gradativa do movimento operário.

Do ponto de vista do catolicismo, as propostas marxistas baseadas no materialismo dialético e histórico estabeleciam uma ameaça contra os princípios da igreja.

Não devemos esquecer que para Marx a salvação do homem não seria realizada na vida eterna prometida pelo cristianismo, mas sim através da abolição das diversas formas de opressão na vida terrestre. Para o cristianismo, os pobres tinham um consolo nesta vida: seriam os primeiros no reino dos céus. Para o marxismo, os pobres deviam adotar uma atitude revolucionária para acabar com a clássica divisão entre opressores e oprimidos.

Imagem: Fotolia. t0m15

Próximo - Conceitos >>

Leitores continuaram: