Conceito de Natureza Humana

Agustina Repetto | Outubro 2023
Licenciada em Psicologia

A natureza humana refere-se à essência do ser humano na relação consigo mesmo e com o meio ambiente e, em definitiva, na missão de responder o que somos? Inúmeras correntes estudaram-no, centrando a análise na biologia, no enquadramento sociocultural, nos pensamentos e/ou necessidades, para associá-lo entre diferentes sociedades, bem como com formas de pensar e agir, tanto colectiva como individualmente.

A busca pela compreensão da “natureza humana” tem sido uma preocupação constante ao longo da história da antropologia. A disciplina antropológica foi enriquecida graças a uma variedade de perspectivas e teorias que surgiram em torno desta questão. Neste artigo, exploraremos a noção de um ponto de vista antropológico, focando nos debates cruciais entre abordagens evolucionistas, culturalistas e estruturalistas. Além disso, examinaremos como a ideia da proibição do incesto atua como um ponto de inflexão entre a natureza e a cultura. Imagem de PopescuBalzs.

Os primeiros debates: evolucionismo vs. culturalismo

Os debates antropológicos sobre a natureza humana começaram com duas abordagens principais: evolucionismo e culturalismo. Os primeiros antropólogos, influenciados por figuras como Herbert Spencer, defenderam a ideia de que as características biológicas, como a genética e a evolução, eram os principais determinantes da natureza humana. Esta perspectiva, conhecida como evolucionismo social, sustentava que as diferenças entre as sociedades humanas se deviam à seleção natural e à evolução. Foto de Adimas.

No entanto, o evolucionismo foi desafiado pela escola culturalista, liderada por Franz Boas e Bronisław Malinowski. Boas argumentou que as diferenças culturais eram igualmente importantes e que as características humanas não podiam ser reduzidas a fatores biológicos. Malinowski, por sua vez, destacou a importância da cultura e da observação participante no estudo das sociedades humanas, desafiando assim as reivindicações do evolucionismo.

Franz Boas: O pai do culturalismo

Franz Boas, muitas vezes considerado o pai da antropologia moderna, desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento do culturalismo. Boas defendeu a ideia de que a cultura era um produto da história e do meio ambiente e que não existia uma rota evolutiva única para a civilização. Ele argumentou que cada cultura deveria ser entendida em seu próprio contexto e rejeitou a ideia de que algumas culturas eram inerentemente superiores a outras.

Boas também enfatizou a importância da pesquisa de campo e da observação direta das práticas culturais. Sua abordagem pioneira ajudou a transformar a antropologia em uma disciplina mais empírica e baseada em evidências.

Bronisław Malinowski: estudo de campo e etnografia

Malinowski, contemporâneo de Boas, é conhecido por seu trabalho pioneiro em etnografia e pelo método de observação participante. Malinowski argumentou que, para compreender verdadeiramente uma cultura, os antropólogos tinham de mergulhar nela e participar na vida quotidiana das pessoas. Seu trabalho nas Ilhas Trobriand estabeleceu um padrão para a pesquisa de campo em antropologia.

Malinowski também introduziu o conceito de “necessidades básicas” na antropologia, destacando a importância da sobrevivência e da reprodução na formação da cultura e da natureza humana. Isto desafiou a ideia de que as culturas eram simplesmente reflexos da evolução biológica.

Estruturalismo e Claude Lévi-Strauss

O estruturalismo, proposto por Claude Lévi-Strauss, representou mais uma virada no debate sobre a natureza humana. Lévi-Strauss argumentou que existiam estruturas universais no pensamento humano que sustentavam aparentes diferenças culturais. Seu foco estava no estudo de mitos e rituais, em busca de padrões recorrentes que revelassem a estrutura profunda da mente humana.

Uma das ideias mais influentes de Lévi-Strauss foi a noção de “proibição do incesto”. Segundo ele, esta proibição era um elemento universal em todas as culturas e representava um ponto de viragem entre a natureza e a cultura. A proibição do incesto refletia a necessidade de estabelecer normas culturais para evitar a consanguinidade e as suas possíveis consequências biológicas negativas.

A proibição do incesto: natureza e cultura entrelaçadas

A ideia da proibição do incesto como um ponto de viragem entre a natureza e a cultura é fascinante. Embora a proibição do incesto tenha raízes biológicas na prevenção da endogamia e da consanguinidade, a sua aplicação e significado variam significativamente de cultura para cultura. Isto demonstra como a cultura modifica e molda as nossas inclinações biológicas fundamentais. A proibição do incesto também ilustra como podem surgir normas sociais e culturais para regular e restringir comportamentos que poderiam ser benéficos de uma perspectiva puramente biológica. Isto sublinha a complexa interação entre biologia e cultura na construção da natureza humana.

Conclusões

O debate sobre a natureza humana na antropologia evoluiu ao longo do tempo, passando de abordagens deterministas e evolucionistas para perspectivas mais culturalistas e estruturalistas. Cada abordagem contribuiu significativamente para a nossa compreensão do que significa ser humano, mas nenhuma ofereceu uma visão completa e definitiva. A noção da proibição do incesto como um ponto de viragem entre a natureza e a cultura lembra-nos que a natureza humana é uma intersecção complexa de factores biológicos e culturais. Esta interação continua a ser um tema central na antropologia contemporânea e continua a desafiar e enriquecer a nossa compreensão da natureza humana em toda a sua diversidade e complexidade. A antropologia, como disciplina em constante evolução, continua a explorar estas questões fundamentais sobre o que significa ser humano.

Artigo de: Agustina Repetto. Graduada em Psicologia, pela Universidade Nacional de Mar del Plata. Atualmente é pós-graduanda em Sexualidade Humana: sexologia clínica e educacional a partir da Perspectiva de Gênero e Direitos Humanos.

Referencia autoral (APA): Repetto, A.. (Outubro 2023). Conceito de Natureza Humana. Editora Conceitos. Em https://conceitos.com/natureza-humana/. São Paulo, Brasil.

  • Compartilhar
Copyright © 2010 - 2023. Editora Conceitos, pela Onmidia Comunicação LTDA, São Paulo, Brasil - Informação de Privacidade - Sobre