Conceito de Taxonomia

Serena Cuoghi | Outubro 2023
Título de Professora em Biologia

O principal objetivo por trás da nomeação das espécies, a princípio, era poder identificar facilmente e de forma universal as espécies sobre as quais se estava falando-escrevendo em um dado momento, independentemente da região ou da língua em que a informação fosse transmitida, para superar rapidamente a barreira linguística através de um sistema de nomenclatura que todos os cientistas da época pudessem compreender.

Desde que Carl Von Linnaeus publicou seu Systema Naturae em 1735, iniciando pública e massivamente uma proposta de nomenclatura dos seres vivos, o fato de poder atribuir um nome próprio e exclusivo a cada espécie à medida que os demais passaram a ser conhecidos como seres vivos com os quais partilhar o planeta, tem sido assumido como uma das ferramentas mais importantes para o desenvolvimento da ciência moderna, especialmente em áreas relacionadas com a biologia.

Importância dos sistemas taxonômicos

O rápido crescimento de um registo organizado de seres vivos, tal como foram descobertos e nomeados taxonomicamente, transcendeu agora muito além dos usos práticos que Linnaeus teria imaginado, tornando-se o recurso básico que nos guiou para:

1) a revelação das relações filogenéticas entre as espécies;

2) a identificação de novas espécies nunca estudadas e sua localização filogenética;

3) a avaliação progressiva das populações para determinar espécies ameaçadas;

4) o desenvolvimento da farmacologia baseada na utilização das propriedades medicinais das plantas, bem como da medicina, através da classificação de microrganismos, espécies patogênicas, parasitas e substâncias tóxicas ou venenosas de origem biológica;

5) o estudo das transformações e dos agentes de mudança que influenciam as espécies;

6) o desenvolvimento da história natural como área de estudo, divulgação e conscientização sobre a origem e importância da própria vida;

7) a utilização do conhecimento biológico para o desenvolvimento tecnológico de toda a humanidade.

Classificar por ordem

A ordenação das espécies, a partir de um critério que permitia a observação e o reconhecimento de determinadas características marcantes, com base nas qualidades originalmente físicas mais evidentes, levou ao reforço e à validação da ideia sobre as possíveis relações parentais existentes entre as espécies que Darwin estava postulando de tal forma que a taxonomia abriu as portas para a teoria evolucionista encontrar as evidências necessárias para apoiá-la, ao mesmo tempo que ofereceu orientação taxonômica na busca pelos caracteres particulares que permitiram a descoberta das linhas evolutivas que deram origem às várias espécies.

Essa profunda relação entre ambos os recursos interpretativos transformou o sentido e o rumo da biologia em direção ao desenvolvimento de uma ciência cada vez mais exata, permitindo a geração de novas abordagens sobre as relações existentes entre os seres vivos, como, por exemplo, os princípios sobre a coevolução entre as espécies, o estabelecimento de cadeias e redes alimentares e as diversas interações ecológicas que permitem a formação e sustentabilidade dos ecossistemas.

Uma linguagem universal

Como a grande maioria dos naturalistas, como eram chamados os biólogos até o início do século passado, eram de origem europeia onde predominam línguas de origem greco-latina como o italiano e o espanhol, enquanto aqueles influenciados por raízes germânicas e galesas Como O inglês e o alemão também já tinham tido contacto suficiente com o grego e o latim, depois das fortes bases culturais, filosóficas e científicas fornecidas pelos antigos gregos e romanos, foi uma conquista rápida ter consentido na utilização das raízes gregas e latinas que Linnaeus havia proposto a construção dos nomes das espécies, com base nas suas características evidentemente mais marcantes, fato que promoveu fortemente o desenvolvimento das pesquisas, e mais ainda das publicações sobre os trabalhos e observações que a comunidade científica do século XXIII ele vinha realizando tanto em termos da natureza humana quanto de todas as espécies animais e vegetais que eram capazes de contemplar.

Este acordo linguístico significou também a transcendência de potenciais barreiras ideológicas e contribuiu para a manutenção de um clima de respeito e igualdade entre os próprios naturalistas, pois quando se tratava de dar nome a uma nova espécie prevalecia a necessidade de facilitar a própria identificação. da espécie e não de quem o descobriu, reduzindo consideravelmente os frequentes atritos entre acadêmicos, produto do ar de superioridade que alguns podiam sentir sobre outros, como consequência da particular condição humana de olhar primeiro para o fator quem em vez de o que.

Exemplos de modelos taxonômicos

A própria taxonomia também teve a oportunidade de evoluir através da expansão das ciências biológicas, permitindo atualmente o desenvolvimento de diversos modelos de classificação baseados na variedade de critérios de estudo com que cada especialidade aborda a organização dos seres vivos, considerando as seguintes classificações entre as mais comum:

1) Hierárquica: como base fundamental da taxonomia postulada por Linnaeus que categoriza as espécies com base em uma sequência de hierarquia que atribui pertencimento a um reino, filo, classe, ordem, família, gênero e espécie, de acordo com características físicas observáveis. com a discriminação primária da vida nos reinos Monera, Protista, Animalia, Plantae ou Fungi.

2) Por Domínio; baseado nas características celulares mais primitivas, permitindo a subdivisão dos seres vivos em três domínios principais, Bactérias, Archaea ou Archaea e Eucarya ou Eucariontes.

3) Por Características Anatômicas: que organizam os seres vivos por caracteres que não precisam ter consistência filogenética, mas sim orgânica, como a distinção de simetria radial ou bilateral ou a caracterização pela cavidade celômica dos animais, ou ainda a número de pernas que poderiam ter.

4) Por Comportamentos e Hábitos: como a classificação de herbívoros, carnívoros, coprófagos, ruminantes, entre aqueles que se referem à dieta da espécie, ou de acordo com os mecanismos de reprodução ou interação social.

5) Através da Genética: como metodologia em crescente popularidade e desenvolvimento nas últimas décadas, através da implementação de marcadores genéticos que estão permitindo uma classificação ainda mais precisa das relações evolutivas entre as espécies.

6) Pela Ecologia: baseada no nicho, no habitat e nas relações estreitas entre espécies em interação em um mesmo bioma.

Artigo de: Serena Cuoghi. Professora graduada em Biologia pela UPEL. Docente especialista em dificuldades de aprendizagem. Experta em PNL e Superaprendizagem. Trabalha em Ciências Biológicas, e é pesquisadora em Biodecodificação.

Referencia autoral (APA): scuoghi. (Outubro 2023). Conceito de Taxonomia. Editora Conceitos. Em https://conceitos.com/taxonomia/. São Paulo, Brasil.

  • Compartilhar
Copyright © 2010 - 2023. Editora Conceitos, pela Onmidia Comunicação LTDA, São Paulo, Brasil - Informação de Privacidade - Sobre