Conceito de Doutrina de Segurança Nacional

Gemma Alvarado | Nov. 2023
Lic. em Psicologia. Mestre em Humanidades

Na história da América Latina há um trecho importante cujas repercussões são palpáveis até hoje na maioria dos países que compõem a região, que tem a ver com a implementação do que hoje é conhecido como Doutrina de Segurança Nacional (DNS). Consistia num plano militar e geopolítico implementado pelos Estados Unidos e aliados na região de América Latina durante a década de 1960 e décadas subsequentes.

Antecedentes e contexto histórico

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, a hegemonia dos países dominantes foi reconfigurada. Os Estados Unidos aproveitaram este período de perdas económicas nos países europeus para se posicionarem como potência mundial. Porém, surgiu a rivalidade com a União Soviética, cujo território era vasto e sob uma ordem política contrária ao capitalismo, comprometendo o desenvolvimento do capitalismo inicial, além de o comunismo ser adotado como sistema em outros países como China e Vietnã. por que ele se tornou um inimigo perigoso para os Estados Unidos.

Além do exposto, e tendo como precedente uma guerra com um importante custo político e simbólico, o confronto entre estes países centrou-se na implementação de uma série de estratégias centradas na economia e na criação de blocos de alianças. Este confronto é hoje conhecido como Guerra Fria e envolveu não só a disputa de territórios, mas também todo um bloqueio ao comunismo por parte dos Estados Unidos, bem como estratégias para erradicá-lo nos locais onde já tinha impacto.

Um acontecimento que sem dúvida moldou a configuração da DSN na região de América Latina foi a Revolução Cubana, que significou uma reconfiguração da ordem política da época. Para o resto da região, Cuba representou uma alternativa para mudar a dinâmica política e social da época, razão pela qual o surgimento de mais movimentos sociais em outros países não demorou a chegar.

Já o panorama mundial do pós-guerra era que os confrontos diretos entre países não só eram geralmente repudiados, como também envolviam custos. Os Estados Unidos, com base nestas experiências, geraram a ideia de que deveriam criar uma nova estratégia de dominação, baseada na manutenção do controle sobre os países-chave e que qualquer confronto seria interno aos países e secretamente.

A implementação da Doutrina de Segurança Nacional

O plano foi implementado através de diversas estratégias descritas abaixo:

1. O mais importante foi a formação dada às forças militares e policiais de cada país da região de América Latina. Embora a Escola sediada no Panamá tenha sido considerada um mito, também se confirmou que, na realidade, os órgãos de aplicação da lei de alguns países foram formados, e que tal formação hoje pode ser considerada um ataque aos direitos humanos, uma vez que estava implícita neles cometer atos como desaparecimento forçado, tortura, sequestro, entre outros crimes graves.

2. Desestabilização social: aqueles países onde existia uma certa ordem e paz, mas que eram considerados um perigo potencial pelos Estados Unidos, foram intervencionados para criar o caos e a violência e desta forma a intervenção militar foi justificada. Isto foi conseguido confiando nos meios de comunicação social e na opinião pública, que cederam para dar uma má imagem dos governos que eram um perigo.

3. Desestabilização económica: Uma última forma particular de funcionamento da DSN foi desestabilizando a moeda local de vários países, recorrendo a grupos considerados especialistas em economia que serviram um propósito maior ao propor planos financeiros arriscados para economias em desenvolvimento, como os de desenvolvimento. os países latino-americanos. Isto criou grandes crises financeiras que acabaram por criar uma imagem de caos.

4. A implementação de ditaduras militares: O ápice do DNS foi sem dúvida esta estratégia e as demais ações serviram a esse propósito maior, que era minar os processos democráticos e pacíficos em alguns países latino-americanos, empreendendo definitivamente processos de ditadura militar para agir ao mesmo tempo fora do Estado de direito e proceder à erradicação das ideologias de esquerda. Consequências da doutrina de segurança nacional

Quando a DSN teve a sua maior ascensão, um país após outro caiu em ditaduras militares cujas consequências são evidentes até hoje: crises financeiras das quais ainda hoje não recuperaram totalmente, depois de tantas décadas, instabilidade social e política que continua na maioria dos países. , a pobreza, os processos de deslocamento forçado e sobretudo os estragos da violência das ditaduras militares e a crise de desaparecimento forçado que surgiu a partir do treino das forças militares na região.

O DNS criou um clima de terror diante do avanço de um comunismo que nunca chegou e em troca disso inseriu governos sangrentos na região que criaram, fora da lei de cada país, todo um esquema para poder prosseguir com impunidade. Hoje, os processos de justiça relativos aos atos cometidos nas ditaduras militares latino-americanas tornaram-se complexos justamente pela forma como a doutrina foi concebida.

Artigo de: Gemma Alvarado. Licenciada em Psicologia. Mestre em Humanidades pela Universidade Autônoma do Estado de México.

Referencia autoral (APA): Alvarado, G.. (Nov. 2023). Conceito de Doutrina de Segurança Nacional. Editora Conceitos. Em https://conceitos.com/doutrina-seguranca-nacional/. São Paulo, Brasil.

  • Compartilhar
Copyright © 2010 - 2023. Editora Conceitos, pela Onmidia Comunicação LTDA, São Paulo, Brasil - Informação de Privacidade - Sobre