Conceito » História » Idealismo Alemão

Idealismo Alemão - Conceito, o que é, Significado

O idealismo alemão é uma corrente filosófica do século XIX, que se enquadra dentro do espírito romântico de sua época. O mais representativo desta tendência é o filósofo Hegel e em segundo plano está Fichte e Schelling.

Princípios gerais

O ponto de partida da reflexão filosófica não faz parte da realidade do mundo exterior, mas sim do próprio sujeito pensante. Em outras palavras, o que importa não é o mundo, mas sim sua representação como um ideal.

O idealismo alemão é uma tentativa de responder a uma pergunta de caráter metafísico: como a realidade pode ser conhecida?

A realidade das coisas só pode ser entendida a partir da consciência que o ser humano tem sobre esta realidade. Neste sentido, o idealismo alemão se opõe à tradição realista, que consiste em identificar a realidade das coisas com o pensamento.

O idealismo hegeliano

A abordagem de Hegel está baseada na ideia de que a natureza e o espírito são a consequência do absoluto. Na verdade, a filosofia é a ciência do absoluto e esta afirmação está baseada no seguinte argumento:

1) numa primeira fase os ideais são concebidos por si só e a partir deste nível o espírito humano parte da subjetividade;

2) numa segunda fase os ideais são compreendidos fora de si, ou seja, através da natureza, uma reflexão que faz parte do espírito objetivo;

3) o espírito absoluto entende os ideais de tal forma que o subjetivo e o objetivo desaparecer e a arte, a religião e a filosofia se tornam as três dimensões do espírito absoluto.

Para Hegel os ideais são a base de todo o conhecimento, neste sentido, seu raciocínio sobre os três níveis de espírito enfatizam como os ideais estão mudando a realidade do mundo e se tornam ideais.

A síntese do idealismo hegeliano expressa um dos seus ideais mais ilustres: o pensamento racional não pode ser separado da realidade e a realidade só faz sentido se fizer parte da razão. Esta abordagem significa que o mundo criado a partir de nossos ideais não é algo absurdo, por outro lado, nosso raciocínio lógico se conecta com a realidade.

A resposta de Marx ao idealismo alemão

A filosofia de Marx é materialista, portanto, se opõe ao idealismo de Hegel. Segundo Marx, não é a consciência do homem que explica a realidade, mas sim são as condições reais e materiais que determinam a consciência.

Imagem: Fotolia. orion_eff

Relacionados:

  1. Idealismo
  2. Fenomenologia
  3. Númeno
  4. Irracionalismo
  5. Materialismo
  6. Panenteísmo
  7. Personalismo
  8. Perspectivismo
  9. Realidade
  10. Dialética