Conceito » Direito » Abolicionismo

Abolicionismo - Conceito, o que é, Significado

O termo abolição se refere à ação de pôr fim a uma lei. No entanto, o conceito abolicionismo está associado a um fenômeno bem específico: a escravidão. Portanto, é fundamental sabermos diferenciá-los, sendo comum fazermos confusão como consequência da conexão gramatical e auditiva.

As ideias liberais surgidas na Revolução Francesa foram determinantes para a abolição da escravatura no mundo ocidental

No contexto do mundo antigo havia uma clara distinção entre dois tipos de homens: os livres e os escravos. Os primeiros tinham seus direitos reconhecidos, já os segundos eram homens e mulheres que formavam uma força de trabalho e não possuíam a maioria dos direitos dos cidadãos.

Como regra geral, os escravos viviam em uma situação muito precária e se encontravam sujeitos à vontade de seus amos. Em alguns contextos históricos, por exemplo, na época da Grécia Antiga, a figura do escravo tinha certo reconhecimento social (por exemplo, os primeiros pedagogos eram escravos).

O termo escravo recebeu outras denominações relacionadas, como servo ou vassalo. No caso das mulheres as escravas sexuais eram as concubinas. Independentemente da palavra empregada, toda pessoa que se encontra a serviço de outra vive em uma situação de escravidão.

Após a Revolução Francesa de 1789 foi publicado um texto de grande relevância histórica, a "Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão". No primeiro artigo se afirma que "os homens nascem e permanecem livres e iguais em direitos".

Este princípio foi o avanço decisivo para a abolição gradual da escravidão em países como Estados Unidos, Espanha, Rússia, Reino Unido e Portugal.

Embora a abolição tenha sido imposta de maneira formal, na prática ainda existem pessoas em situação de escravidão.

O antiabolicionismo

Os movimentos abolicionistas defendiam suas teses por motivos humanitários e porque a escravidão representava uma degradação da dignidade humana. Outro argumento empregado era de tipo econômico, pois se considerava que um homem livre é mais produtivo que um escravo.

Alguns líderes e intelectuais eram contra esta reforma. Os antiabolicionistas tinham seus próprios argumentos:

1) existem homens que não podem ser livres porque nasceram para servir os poderosos,

2) o sistema econômico só pode funcionar efetivamente se houver um grande volume de trabalhadores em regime de escravidão,

3) nem todos os escravos querem ser libertados, pois com sua libertação perdem a proteção e segurança de seus amos.

Imagem: Fotolia. Archivist

Próximo - Conceitos >>

Leitores continuaram: