Conceito de Organismos

David Alercia | Janeiro 2023
Licenciado em Biologia

Um organismo é qualquer coisa viva, como um animal, planta, fungo ou bactéria. Dando uma definição mais completa, é qualquer indivíduo de qualquer espécie. Estes compartilham características comuns que veremos neste artigo. Além disso, falaremos sobre o esquema básico de classificação da enorme biodiversidade que observamos na biosfera.

Quais são as características dos seres vivos?

Os seres vivos compartilham uma série de características comuns que permitem que sejam identificados como organismos vivos:

Organização celular: Todos os seres vivos são constituídos por células, que são as unidades estruturais e funcionais básicas da vida. Um grupo de células é chamado de tecido e uma associação de tecidos coordenados para cumprir uma função é chamada de órgão. Os organismos unicelulares são constituídos por uma única célula, e os organismos multicelulares são constituídos por tecidos e órgãos. Nos animais, os órgãos são organizados em "sistemas de órgãos", como o digestivo, respiratório, etc. Em suma, todos os organismos são constituídos por células que são as que realizam as funções necessárias para a vida.

Metabolismo: um conjunto de reações químicas que são necessárias para manter a vida ocorrem dentro das células. O metabolismo inclui processos como a obtenção de energia através da respiração celular, fotossíntese, eliminação de resíduos e regulação da temperatura corporal.

Reprodução: todos os seres vivos têm a capacidade de se reproduzir, ou seja, de produzir novos indivíduos de sua própria espécie. A reprodução pode ser sexuada ou assexuada, como brotamento, dependendo do organismo.

Crescimento, desenvolvimento e morte: todos os seres vivos nascem e experimentam crescimento e desenvolvimento ao longo de suas vidas. Isso pode incluir o crescimento físico, o desenvolvimento de novas habilidades e uma mudança na aparência ou no comportamento. Após uma fase de rápido crescimento, os seres vivos atingem a idade reprodutiva de suas vidas, na qual podem deixar descendentes. Após esta fase, o crescimento pode parar completamente ou desacelerar até a morte do organismo. Todos os organismos, sem exceção, morrem. O que varia é a longevidade, ou seja, quanto tempo um organismo vive; existem árvores com milhares de anos e organismos unicelulares que vivem apenas algumas horas.

Adaptação ao meio ambiente: todos os seres vivos se adaptam ao meio ambiente de alguma forma para sobreviver. Isso pode incluir a aquisição de características físicas especializadas ao longo de várias gerações (como pernas para caminhar na neve ou pelo grosso para proteção contra o frio) por meio de um processo conhecido como evolução. Além disso, ao longo da vida do organismo, podem ocorrer mudanças comportamentais para se adaptar às mudanças no ambiente (por exemplo, aprender a usar ferramentas, aprender novas técnicas de caça, esconder-se de predadores, proteger-se do calor ou do frio).

Capacidade de resposta a estímulos externos: todos os seres vivos têm a capacidade de responder a estímulos do ambiente, como som, cheiro, sabor, toque e luz. Nos animais, essa capacidade de resposta pode ser rápida e impulsiva, como quando uma pessoa tira rapidamente a mão de uma superfície quente ou um verme se afasta da luz solar, ou mais complexa, envolvendo um sistema nervoso desenvolvido, como quando um animal caça sua presa. As plantas respondem à luz dobrando-se e crescendo em direção à fonte de luz. Fungos e organismos unicelulares também respondem a estímulos, embora, como nas plantas, as respostas sejam mais lentas e menos óbvias do que nos animais.

Evolução: Todos os seres vivos evoluíram ao longo do tempo para se adaptar ao seu ambiente e sobreviver. A evolução é baseada na seleção natural, na qual organismos com características que lhes permitem sobreviver e se reproduzir com sucesso têm mais descendentes do que outros. Isso, por sua vez, leva a uma maior presença dessas características na população ao longo do tempo.

Como são classificados os organismos?

Os organismos vivos são classificados em um sistema de grupos hierárquicos (grupos dentro de grupos) que inclui vários níveis de categoria, desde o mais geral (contendo outros grupos até o mais específico (não contendo grupos dentro), com base nas características físicas e genéticas compartilhadas pelos organismos e está em constante mudança devido aos avanços da biologia, principalmente da genética, que permite “ver” as relações entre os seres vivos por meio da análise do DNA, embora os detalhes da classificação possam mudar. , a generalidade sempre permanece a mesma. classificação está estruturada nas seguintes categorias:

Reino: supõe a categoria mais ampla. Por exemplo, o reino animal inclui todos os animais, enquanto o reino vegetal inclui todas as plantas. Posteriormente, os cinco reinos são analisados ​​detalhadamente, a la par da dinâmica da sua correspondente biodiversidade.

Phyllum (plural phila, em português filo e fila): uma categoria intermediária que agrupa os organismos de acordo com suas características físicas e genéticas. Por exemplo, o filo Chordata inclui animais que possuem uma estrutura conhecida como notocorda (que é o precursor da coluna vertebral), que inclui mamíferos, aves e répteis, mas também organismos marinhos menos familiares, como ascídias e anfioxos. Um phyllum contém classes.

Classe: a classe Mammalia inclui todos os mamíferos: os animais que possuem glândulas mamárias e que produzem leite para alimentar seus filhotes. Além disso, os mamíferos têm pelos e podem regular a temperatura do corpo.

Ordem: as classes contêm ordens. A classe Mammalia contém a ordem Carnivora que inclui todos os mamíferos carnívoros, como lobos e cachorros, ursos, gatos, golfinhos, focas e leões marinhos.

Família: a ordem contém famílias. Por exemplo, a família Felidae da ordem Carnivora inclui todos os felinos, como leões e gatos.

Gênero: uma família contém gêneros. Por exemplo, o gênero Felis inclui todos os gatos.

Espécie: a categoria mais específica da classificação dos organismos. Às vezes, as espécies podem conter grupos conhecidos como subespécies, mas normalmente a categoria de espécies não é subdividida. Uma espécie é um grupo de organismos que têm características semelhantes e que podem se reproduzir entre si e produzir descendentes viáveis ​​e férteis. Espécie é usado para distinguir diferentes tipos de organismos. Por exemplo, dentro do gênero Felis, a espécie Felis silvestris possui várias subespécies, sendo uma delas o F. silvestris catus, que é o gato doméstico, e as demais são os gatos selvagens. Existem também outras espécies de gatos do gênero Felis que são completamente selvagens. Outros exemplos incluem o lobo (Canis lupus) e sua subespécie Canis lupus familiaris (o cão doméstico).

Os cinco grandes reinos para classificar os organismos vivos

Em nosso planeta existe uma grande biodiversidade, que podemos observar em qualquer ambiente natural. Mesmo quando pensamos que não há vida em determinados lugares, sempre temos que saber que existe uma infinidade de organismos unicelulares que não podemos ver a olho nu, e organismos ainda maiores que estão escondidos ou vivem enterrados. A classificação tradicional identifica cinco reinos e, embora do ponto de vista atual da biologia não seja o melhor sistema, mantém sua validade como um esquema fácil de entender e aprender, razões pelas quais tem grande valor didático para quem não são especialistas. .

Reino Monera: é formado por bactérias, que são organismos procarióticos (ou seja, a única célula que as forma é o tipo celular mais simples que existe, sem núcleo ou organelas definidos). As bactérias são muito diversas e encontram-se em quase todos os ambientes do planeta: na água, desde a água doce até os fundos oceânicos mais profundos; no ar, desde o solo até as bactérias que vivem flutuando no ar e até dentro de outros seres vivos; vivendo como parasitas ou como simbiontes (organismos que estabelecem uma relação mutuamente benéfica entre si). Algumas bactérias podem ser benéficas para os seres humanos, como os simbiontes de nossa flora intestinal, enquanto outras podem ser patogênicas e causar doenças (como cólera, pneumonia ou as infecções muito comuns de “placas na garganta”).

Reino Protista: inclui um grupo diverso de organismos eucarióticos (ou seja, suas células têm um núcleo definido e organelas). Os protistas são seres unicelulares ou multicelulares e podem ser heterótrofos (que precisam se alimentar de outros seres vivos para obter energia) ou autótrofos (capazes de produzir sua própria energia através da fotossíntese). Alguns protistas têm formas de vida muito simples, enquanto outros são complexos e diversos.

Os protistas são divididos em vários grupos, sendo dois dos mais conhecidos os protozoários e as algas. Os protozoários são seres unicelulares ou multicelulares que podem se mover e são heterótrofos. Essas características os tornam mais semelhantes a fungos e animais, que também são móveis e heterotróficos.

As algas são organismos autotróficos que produzem sua própria energia através da fotossíntese, cumprindo, assim como as plantas, o importante papel de produtoras na teia trófica. Muitas das algas são unicelulares, ou grupos de poucas células, mas outras são enormes, como as algas marrons que formam florestas subaquáticas.

O reino protista abrange uma grande diversidade de organismos, muito diferentes entre si: sua única característica comum é ser unicelular ou ter uma organização multicelular muito simples: apenas um conjunto de células que não atinge a estrutura de tecidos e órgãos que caracteriza os demais Reinos multicelulares (Fungi, Plantae e Animalia). Isso porque, na antiguidade, todos os organismos que não podiam ser classificados como bactérias, fungos, plantas ou animais, foram parar no reino protista. Com o avanço da ciência e da tecnologia, muitos desses organismos puderam ser corretamente classificados; mas como dissemos anteriormente, a classificação dos reinos caiu em desuso, e em particular o reino protist, mas ainda é valioso para proporcionar um esquema simples e geral de classificação.

Os protistas têm um papel importante nos ecossistemas, pois podem ser produtores ou consumidores. Alguns protistas também podem ser patógenos e causar doenças em outros seres vivos ou viver como parasitas.

Reino Fungi: é formado por uma grande variedade de organismos eucarióticos que se caracterizam por terem corpos constituídos por estruturas filamentosas, como pelos ou fios, chamadas hifas. Além de terem um corpo formado por hifas, os fungos se reproduzem sexualmente por meio de esporos e são heterótrofos. Alguns exemplos de fungos são cogumelos ou fungos de chapéu, bolores e leveduras. Eles podem ser unicelulares ou multicelulares, e sua característica comum é o modo heterotrófico de nutrição e reprodução por esporos.

Os fungos desempenham um papel importante no ciclo da matéria nos ecossistemas e nas cadeias alimentares, pois são decompositores e ajudam a decompor a matéria orgânica morta. Alguns fungos também podem ser patogênicos e causar doenças em outros seres vivos, enquanto outros podem ser benéficos para os seres humanos, como as leveduras usadas na panificação e na produção de cerveja. Finalmente, também existem fungos parasitas como os que causam o pé de atleta.

Reino Plantae: abrange todas as plantas conhecidas, desde as mais simples como musgos até as mais complexas como árvores e plantas com flores. Atualmente, as algas verdes, assim chamadas porque, assim como as plantas, contêm clorofila, antes classificadas como protistas, estão no reino Plantae.

As plantas são organismos autotróficos, o que significa que produzem sua própria energia através da fotossíntese, um processo no qual usam a luz solar para converter dióxido de carbono e água em glicose e oxigênio. A glicose é a fonte de energia da planta, enquanto o oxigênio é um subproduto da fotossíntese que é liberado no meio ambiente. As células vegetais possuem cloroplastos, organelas especializadas para a fotossíntese, que contêm clorofila. A clorofila absorve a luz solar e inicia uma série de reações químicas, coletivamente conhecidas como fotossíntese.

As plantas são os principais produtores na maioria dos ecossistemas conhecidos e fornecem o oxigênio e o alimento necessários para todos os outros seres vivos. Eles também têm um papel importante na regulação do clima e na conservação do solo e da água.

Reino Animalia: é representado por todos os animais conhecidos, desde os mais simples como os vermes até os mais complexos como os mamíferos. Muitos dos protozoários estão agora incluídos no reino Animalia. São organismos eucarióticos heterotróficos, o que significa que dependem de outros seres vivos para obter energia e nutrientes. Eles são multicelulares, seus corpos são formados por células organizadas em tecidos, órgãos e sistemas.

Os animais são consumidores secundários e terciários na cadeia alimentar e ajudam a manter o equilíbrio nos ecossistemas, controlando as populações de outros seres vivos. Os animais também podem ser importantes polinizadores de plantas.

Artigo de: David Alercia. Licenciado em Biologia pela Universidade Nacional de Córdoba, especializado em gestão ambiental, trabalha com turismo científico.

Referencia autoral (APA): Alercia, D.. (Janeiro 2023). Conceito de Organismos. Editora Conceitos. Em https://conceitos.com/organismos/. São Paulo, Brasil.

Copyright © 2010 - 2023. Editora Conceitos, pela Onmidia Comunicação LTDA, São Paulo, Brasil - Informação de Privacidade - Sobre