Conceito » Filosofia » Dúvida

Dúvida - Conceito, o que é, Significado

DuvidaCostuma-se dizer temos certeza de algo quando estamos convencidos por algum motivo sobre sua verdade ou falsidade. Pelo contrário, quando há incerteza em relação a algo nos deparamos diante de uma situação de dúvida.

A dúvida está inclusa em várias possibilidades como no sentido religioso, diante de uma postura específica em relação a algum aspecto da vida e também como atitude filosófica.

Em relação às crenças religiosas, as pessoas que têm fé acreditam em suas convicções pelas quais não são de caráter racional, uma vez que não há provas conclusivas neste sentido. Os dogmas e as crenças religiosas não são convincentes a todos os indivíduos e apresentam dúvidas em relação a sua autenticidade. De qualquer forma, o agnóstico expressa esta ideia, já que nem afirma nem nega a existência de Deus.

Na vida cotidiana nem sempre sabemos qual é a verdade sobre algo. Considera-se que é impossível alcançar a verdade e por isso temos dúvida. Neste sentido, a dúvida é aplicada em muitas circunstâncias: uma decisão na hora de adquirir um objeto de consumo ou uma escolha pessoal com a qual temos argumentos a favor e, ao mesmo tempo, contra.

Questão filosófica

Desde a antiguidade, algumas correntes filosóficas defendiam a impossibilidade de encontrar um conhecimento confiável e seguro. Esta doutrina é conhecida como ceticismo. Os filósofos céticos defendiam a tese de que era impossível optar racionalmente por uma posição ou outra, consequentemente, defendiam a dúvida como ideia fundamental e atitude intelectual.

Assim mesmo o ceticismo tem uma contradição

Quando uma pessoa afirma que não está seguro de algo, isto quer dizer que já está seguro de sua insegurança. Diante desta contradição, a filosofia tem recorrido a dois caminhos alternativos: o conhecimento baseado na experiência (o empirismo) e o conhecimento baseado na razão humana (o racionalismo).

O filósofo francês René Descartes introduziu uma nova modalidade: a dúvida metódica

A ideia principal deste pensador é duvidar de tudo e de forma sistemática. Após comprovar que é possível duvidar de qualquer conhecimento (de nossos sentidos, da razão e inclusive dos sonhos que parecem reais), Descartes percebeu que havia algo que não era possível duvidar: o simples fato de estar duvidando. E por ser a dúvida uma forma de pensamento, conclui a reflexão de uma ideia: “Penso, logo existo”. Esta afirmação serviu como modelo de referência para qualquer outra possível verdade.

Imagem: iStock. VasjaKoman

Próximo - Conceitos >>

Leitores continuaram: