Conceito de Androcentrismo

Lilén Gomez | dez. 2022
Professora de Filosofia

O androcentrismo é entendido como o ponto de vista que situa o sujeito masculino como centro de referência em relação à natureza e à cultura, a partir do qual o olhar masculino é construído como universal, deshierarquizando e invisibilizando outras perspectivas possíveis (sendo o olhar feminino o exemplo paradigmático), chegando inclusive à sua anulação simbólica.

Quando se fala em subjetividades masculinas em relação ao androcentrismo, não se faz referência a toda identidade masculina, mas a um certo tipo de masculinidade, que ocupa uma posição hegemônica dentro da estrutura social sexo-gênero, a saber, os homens cisgênero (cujo sexo biológico e identidade -o gênero percebido é o mesmo), heterossexual. Por sua vez, dentro do grupo formado pelos que possuem essas qualidades, existem hierarquias internas, ligadas à posição econômica dentro de determinada classe social, racialização, entre outras características.

Androcentrismo e gênero

A noção de androcentrismo está intimamente relacionada com a concepção de género, entendido como uma das categorias a partir das quais se constituem as relações sociais, neste caso, segundo uma multiplicidade de representações identitárias que, embora se baseiem na percepção das diferenças entre os sexos, não estão limitados a um correlato daqueles.

Do ponto de vista da filósofa Judith Butler (1956), a identidade sexual, assim como a expressão de gênero, são produtos de construções sociais, históricas e culturais; Dessa forma, a subjetividade não é fruto de um dado essencial, natural ou biológico, mas a própria ideia do natural é criada por dispositivos de poder para sustentar prescrições normativas sobre gênero. Isso significa que o modo de ser "homem" ou "mulher" não depende da constituição biológica das pessoas, mas responde a um conjunto de práticas performativas, ou seja, práticas que são encenadas pelos sujeitos ao se mostrarem de outra forma. maneira ou de outra maneira. Assim, os gestos, os gostos culturais, a escolha de determinadas práticas desportivas, os tons de voz ou as formas de vestir, prefiguram a expressão do género de uma pessoa, no seio de uma sociedade e de uma matriz sexo-género específica.

Por exemplo, nas sociedades ocidentais, a educação das crianças desde tenra idade é orientada normativamente de acordo com uma atribuição de gênero dependente do sexo com o qual são identificadas no nascimento, de modo que os homens são educados para jogos principalmente ligados à força ou vestido com cores escuras (como o azul); enquanto as brincadeiras propostas às meninas muitas vezes estão relacionadas a tarefas domésticas ou parentais, assim como prepará-las para o uso de maquiagem, saias e vestidos com cores claras (como rosa), etc.

O gênero, dessa forma, é construído por meio da repetição de práticas culturais que se reproduzem por gerações. No entanto, essas práticas, por sua vez, estruturam-se normativamente em torno de uma ótica binária que opõe o masculino ao feminino, conferindo, ao mesmo tempo, uma hierarquia do primeiro sobre o segundo.

A matriz normativa sexo-gênero é, nesse sentido, androcêntrica, na medida em que afirma a masculinidade hegemônica como superior a qualquer outro tipo de expressão de gênero —não apenas feminina—, relegando assim amplos setores da vida social a uma forma material e marginalidade simbólica. A consideração do masculino como arquétipo ideal do ser humano está, por sua vez, na base da conformação patriarcal das sociedades.

Androcentrismo e ciência

Diversas correntes pertencentes ao campo dos estudos científicos feministas têm apontado o androcentrismo como um problema que diz respeito especificamente aos processos de construção do conhecimento.

A crítica feminista da reivindicação de "universalidade" da ciência destaca o caráter situado dos cientistas como sujeitos conhecedores. Isso significa que os saberes elaborados a partir da perspectiva dos sujeitos dominantes —não apenas em termos de gênero, mas também de classe social, etnia, etc.—, embora sejam normalmente apresentados como neutros, excluem de seu campo de visão as perspectivas de grupos oprimidos e, portanto, carecem de forte objetividade.

Artigo de: Lilén Gomez. Professora de Filosofia, com desempenho em ensino e pesquisa em áreas da Filosofia Contemporânea.

Referencia autoral (APA): Gomez, L.. (dez., 2022). Conceito de Androcentrismo. Editora Conceitos. Em https://conceitos.com/androcentrismo/. São Paulo, Brasil.

Copyright © 2010 - 2023. Editora Conceitos, pela Onmidia Comunicação LTDA, São Paulo, Brasil - Informação de Privacidade - Sobre